MUSCULAÇÃO (TREINAMENTO DE FORÇA) NA DA DOR LOMBAR (PARTE 1)

04/07/2019 11:03

A dor lombar tornou-se um dos problemas mais comuns, afetando 80% das pessoas e a freqüente causa da limitação física em indivíduos com menos de 45 anos.

O músculo desempenha importante papel protetor das estruturas da coluna vertebral. O desuso, a permanência prolongada em determinadas posições, ou mesmo a fadiga pelo gesto repetitivo, podem provocar dor.  

Uma abordagem ainda comum, consiste em contra indicar atividades na sala de musculação que provoquem fadiga, por medo de que elas venham a agravar os danos às estruturas da coluna vertebral. Esse estado de descondicionamento gera ao indivíduo um quadro de incapacidade de realizar as atividades cotidianas. 

Os exercícios prescritos em sala de musculação, sobretudo envolvendo grandes grupamentos, que apresenta o potencial de contribuir para um aumento da estabilização dinâmica da coluna, é recomendado para condições como degeneração discogênica lombar, extravasamento do núcleo pulposo, estenose, síndrome da faceta articular, espondilolistese grau I e II, espondilólise, dor miofascial e no pós-operatório de laminectomia e fusão. Essa abordagem do treinamento de força é contra-indicado apenas em algumas condições bem específicas, que apresentem instabilidade e indicação cirúrgica, como osteoporose grave, fraturas, tumores, cauda eqüina, síndrome do conus medular, déficit neurológico progressivo, espondilolistese grau III e IV, patologias nas víceras ou sistêmicas e espondiloartropatia.

O meu objetivo é demonstrar que o treinamento de força, ao contrário de muitas modalidades passivas de tratamento, possui efeito positivo na reabilitação da dor crônica lombar. Escreverei diversos posts com intuito de clarificar informações sobre o assunto.

ORIGEM DA DOR LOMBAR

As causas das dores lombares podem ser diversas, como o que foi destacado na introdução, embora, nem sempre as mesmas estejam presentes. Nos quadros crônicos de dor, independentemente da presença ou não de patologias, existe a hipotrofia muscular, associada à fraqueza ou lesão dos tecidos moles da região. A musculatura fraca  está associada a dor lombar.

Exercícios que envolvam estabilização dinâmica, ou seja, tem que ter movimento, que envolvem repetições de baixa intensidade, são extremamente válidos. Mas, quando o indivíduo sair do quadro de dor, é importante que essas cargas de treinamento aumentem de forma condicionante.

A incidência da dor lombar é comum, principalmente por influência ambiental e ocupacional (falta de movimento). O estilo de vida não expõe a região lombar a cargas de magnitude suficiente para estimulara todas as fibras musculares da região lombar.

 Prof. Dr. Roberto Simão

- Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Tags:
Categorias: